AME-Blumenau semeia pesquisa e esperança

Dr. Fernando: “Temos observado cada vez mais profissionais abordando o aspecto espiritual no trato a seus pacientes”

Dr. Fernando Pinto, presidente da Associação Médico-Espírita fala ao nosso portal.

A Associação Médico-Espírita de Blumenau (AME) está cada vez mais forte com sua atuação que envolve palestras em várias casas da região e reuniões semanais de estudo e pesquisa.

Conversamos com seu presidente, Fernando Pinto Vieira da Costa. Com 63 anos, médico desde 1979, formado pela Faculdade de Medicina de Jundiaí-SP e especializado em otorrinolaringologia e medicina do trabalho. Atualmente ele trabalha em indústria do ramo metalúrgico em Blumenau.

Membro da AME-Blumenau desde 2017, no cargo de Presidente da mesma desde 2019, Dr. Fernando destaca dificuldades e conquistas desse movimento que veio para envolver a classe médica. Fala também dos reais motivos da importância da AME-Blumenau. “Sabemos, por vários estudos sérios e comprovados, que a maioria das moléstias que nos afligem, senão todas, têm componentes psicossomáticos que precisam ser levados em consideração na prescrição das terapêuticas adequadas ao tratamento.”

Leia a entrevista:

Como está hoje a AME-Blumenau, você pode nos fazer um balanço?

Fernando Pinto Vieira da Costa – A AME-Blumenau foi criada em 2013 por iniciativa da Dra. Clarice Helena Couto, médica endocrinologista radicada na cidade há mais de 30 anos, juntamente com outros médicos e médicas, psicólogas, nutricionistas e outros profissionais da área da saúde, inspirada pela atuação de AMEs situadas em outros locais do país, com objetivo de difundir a espiritualidade e a doutrina espírita na prática de cuidados médicos e também promover seu estudo científico.

Desde sua criação, vem agregando em suas reuniões, além de profissionais da saúde, também pessoas interessadas em ampliar seus conhecimentos nas relações da espiritualidade com a prevenção e cuidados relativos às doenças.

Através de estudos, discussões, palestras e aplicação dos conhecimentos adquiridos na prática diária do atendimento na área de cuidados à saúde, a AME-Blumenau vem aos poucos crescendo de forma constante e consistente. Participantes da AME proporcionam atendimento a dependentes químicos e seus familiares no Apoio Fraterno, realizam palestras em casas espíritas e, brevemente, deverão prestar atendimento a pessoas enlutadas, com depressão e na prevenção de suicídios.

Também temos notado que os conhecimentos obtidos estão ajudando de forma positiva os profissionais da área da saúde em sua lide diária com pacientes.

– Muitas áreas da medicina, como a cardiologia, vêm apontando os benefícios de uma vida mais espiritualizada. Como você e a AME-Blumenau têm analisado essa consciência dos profissionais?

Fernando Pinto Vieira da Costa –  Com muita satisfação e esperança.

Sem sombra de dúvida, a espiritualidade é uma parte muito importante da vida de todos nós, espíritas ou não. Todos têm que ter uma crença, seja em uma divindade, um ser superior, em algo ou mesmo em si próprio, para que a vida faça sentido; a doutrina espírita nos mostra de forma clara, objetiva e consistente isso, mostrando a necessidade de acreditarmos na existência de um Deus que nos ampara e nos mostra o caminho a seguir e a importância de fazermos o bem e a caridade.

Há bastante tempo a medicina tem deixando de considerar a espiritualidade no atendimento ao doente, tornando-o cada vez mais materialista, diminuindo a importância da interação médico-paciente, dependendo cada dia mais de exames sofisticados e onerosos que nem sempre são suficientes para ajudar no tratamento, muitas vezes até dificultando sua resolução e alívio.

Sabemos, por vários estudos sérios e comprovados, que a maioria das moléstias que nos afligem, senão todas, têm componentes psicossomáticos que precisam ser levados em consideração na prescrição das terapêuticas adequadas ao tratamento.

Escutar o paciente tendo em mente o aspecto espiritual de sua vida ajuda de sobremaneira seu tratamento por incutir positividade, proporcionar apoio comunitário, conscientizar a necessidade de disciplina e afastamento de hábitos perniciosos e prejudiciais para o tratamento ser eficaz. E, além de tudo, ajuda a promover a crença em valores maiores, trazendo esperança na melhora.

 

Temos observado cada vez mais profissionais abordando o aspecto espiritual no trato a seus pacientes, fazendo do atendimento ao doente uma experiência fraterna, descobrindo influências até então despercebidas ao auxiliá-lo a expor de modo sincero e sem reservas suas queixas, fazendo-o sentir que para aquele profissional ele não é apenas “mais um” e que ele está verdadeiramente compromissado em ajudá-lo com sua moléstia.

– Quais os maiores desafios da AME Blumenau no tocante à sua atuação?

Fernando Pinto Vieira da Costa – Um dos desafios importantes é contar com uma maior participação da própria classe médica nos trabalhos. Por serem, em sua maioria, profissionais bastante atarefados, poucos têm tempo livre para dedicar-se aos trabalhos da AME, embora o horário de nossas reuniões, que é toda terça-feira às 20:00h na Sociedade Espírita Nova Era, tenha sido escolhido para não incomodar o trabalho da maioria.

Também a divulgação ainda insuficiente das atividades da AME-Blumenau talvez seja um pouco responsável pelo baixo interesse, assim como o desconhecimento, a desconfiança e a incredulidade nos preceitos da doutrina espírita.
Por isso, a introdução do estudo da espiritualidade no currículo das escolas médicas e da área da saúde também é um desafio às nossas atividades.

Por outro lado, observamos interesse e participação cada vez mais significativos de psicólogos, assistentes sociais, cuidadores e de pessoas interessadas, como já disse, na interação espiritual com a medicina.

Podendo contar com mais participantes, a atuação da AME-Blumenau poderia ampliar-se de modo significativo em atividades que hoje não são desenvolvidas por falta de pessoal, como o atendimento espiritual em pessoas internadas com moléstias graves, escuta de pessoas com tendências suicidas, atividade didática da espiritualidade em faculdades, etc.

 

 – Como é a aceitação, de forma geral, da classe médica em relação à AME e ao espiritismo, especificamente em Blumenau e região?

Fernando Pinto Vieira da Costa – Pelas escutas de colega médicos com quem travamos contato desde a fundação até o presente, em sua maioria são simpáticos em relação à AME e ao espiritismo. Alguns passam a frequentar nossas reuniões depois de assistirem a alguma palestra e outros têm nos procurado com o objetivo de obterem auxílio para fundarem AMEs em seus municípios de atuação.

Temos também notado que muitos médicos que trabalham em Blumenau são adeptos da doutrina espírita e frequentam alguma casa espírita regularmente, participando de seus trabalhos, embora não frequentem a AME-Blumenau.

– A AME-Blumenau vem proferindo uma série de palestras na Casa Nova Era e em outras casas espíritas da região. Como estão sendo essas experiências?

Fernando Pinto Vieira da Costa – Para mim, particularmente, como presidente e também palestrante, tem sido uma experiência muito gratificante, e creio que posso falar o mesmo em relação a outros membros da AME também palestrantes.

Poder transmitir a outras pessoas os conhecimentos obtidos pelos estudos e pesquisas para a preparação das palestras, percebendo o interesse delas pelos temas que expomos é muito satisfatório. Notamos o genuíno interesse das assistências nos assuntos ligados à saúde e suas relações com a doutrina espírita, e o apreço e as questões levantadas com as explanações nos estimulam e inspiram a prosseguir com a abordagem de temas mais diversificados e profundos, mostrando com isso a importância dos ensinamentos da doutrina espírita na vida física e espiritual de todos nós.

Entrevista a Manoel Fernandes Neto


Continue no Canal
+ Entrevistas