Animação: A Lapide

O festival BANG Awards 2020, que ocorreu em Portugal, premiou com a primeira colocação o filme “A Lápide”, com animação de Lucas Tanuri e música de Zé Henrique Martiniano, sobre texto de Allan Kardec.

Animação de Lucas Tannuri sobre a música A Lápide (Allan Kardec e Zé Henrique Martiniano)
do álbum Mensagem dos Poetas Mortos de Zé Henrique Martiniano.

O festival BANG Awards 2020, que ocorreu em Portugal, premiou com a primeira colocação o filme “A Lápide”, com animação de Lucas Tanuri e música de Zé Henrique Martiniano, sobre texto de Allan Kardec.

A 5a edição do festival internacional de animação contou com a participação de artistas de vários continentes e países como Espanha, Chile, Portugal, França, Itália, Brasil, Holanda, China, Russia, Alemanha, Estados Unidos, Argentina, Irã, Japão, Israel, entre outros.
Mais de 400 filmes de grande diversidade, qualidade e criatividade, participaram da competição.
A premiação aconteceu por meio de votação na internet e portanto agradecemos a todos que participaram do festival como um todo.
Resultado:
1a colocada: A Lápide
1.050 votos, 19.050 visualizações

FICHA TÉCNICA:
Lucas Tannuri: Animação
Jô de Souza: voz

Coro e Osso: coral
Luiz Piquera: arranjo coral e regência
Zé Henrique Martiniano: violão solo e arranjo
Swami Jr: violão de 7 cordas e arranjo
Franco Lorenzon: baixo acústico
Marquinhos Froco: bateria
Turma do Aramis: orquestra de cordas
Ronaldo Cordas Oliveira: arranjo de cordas e regência

Segundo o jornalista Marcel Souto Maior, em seu livro “Kardec, a biografia” (1a edição, Editora Record, página 58), uma frase do escritor alemão Goethe, extraída de “As afinidades eletivas”, de 1809, resume a lógica da dinâmica da reencarnação: “Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sempre, sem cessar. Tal é a lei”.
A frase caiu como uma luva e teria sido adotada por Kardec, pois sintetizava as idéias do nascente Espiritismo. Hoje, encontra-se no epitáfio inscrito na lápide de Allan Kardec no cemitério Père-Lachaise, em Paris, França.
Esta música, com o objetivo de divulgar o Espiritismo pelos quatro cantos do mundo, é cantada em cinco idiomas: francês, português, inglês, alemão e espanhol.

A Lápide
(Kardec e Zé Henrique Martiniano)

Naître, mourir, renaître encore
Et progresser sans cesse

Telle est la loi

Nascer, morrer, renascer ainda

E progredir sempre

Tal é a lei

To be born, to die, to be reborn again
And constantly progress
That is the law

Geboren werden, sterben, wieder geboren werden
Und unendlich fortschreiten

Das ist das gesetz

Nacer, morir, renacer aún
Y progresar siempre
Tal es la ley


Continue no Canal
+ TV Portal Nova Era - Vídeos