Cirurgias espirituais

Por Dedé Mafra

É comum pessoas buscarem as casas espíritas para obter curas. Muitos já passaram por vários consultórios médicos e se mostram desiludidas com diagnósticos que lhes parece uma espada suspensa sobre a cabeça. Vêm em busca de sanar o problema do corpo.

Contudo, a Doutrina Espírita não está aí para curar o corpofísico, que é simplesmente a vestimenta do espírito.

O objetivo da doutrina Espírita é educar a criatura, o que representa a cura real. Isso porque as mazelas corporais, as doenças são normalmente exteriorização dos problemas da alma, do espírito.

As doenças que explodem o corpo funcionam como extravasadoras das manchas do corpo espiritual. Nesse sentido, o corpo funciona como um mata-borrão, sugando as chagas da alma, burilando-as.

Isso explica porque algumas pessoas assim que apresentam determinados sintomas, procuram o médico, o hospital, a cirurgia, a medicação e se curam; enquanto outras por mais que façam, pouco ou quase nenhum alívio conseguem para suas dores.

É que a doença de caráter depurador só desaparecerá quando a alma ou o espírito estiver curado. Cada um de nós tem sua própria cota de problemas morais a resgatar. E o nascimento do amor se fará em todos e em todos os lugares.

Dessa forma a casa espírita oferece a água fluidificada, ou seja, a água saturada de fluídos benéficos, o passe, a oração, a orientação para o trabalho em alguma assistência social e a leitura nobre, mas jamais se atribuirá o direito exclusivo de curar.

A Doutrina Espírita mostra o caminho que a criatura, se desejar, seguirá e descobrirá o alívio de nossos problemas. Isso porque passará a administra-los a partir de outro ponto-de-vista, mais elevado, menos terra a terra.

Honrosa Medicina


Curas existem, não há que negar. Mas daí a se pensar que os Centros Espíritas existem para tomar o lugar de médicos eméritos, hospitais bem equipados e medicação condizente, há um enorme abismo.

Os espíritos não podem e nem devem resolver todos os nossos problemas. Se assim fosse, onde ficaria o nosso mérito? Onde as possibilidades de crescimento espiritual se as dificuldades todas fossem sanadas pelos espíritos, sem esforço algum de nossa parte?

Quando os espíritos superiores desejam trazer alguma coisa que beneficie a humanidade, reencarnam na terra. Como todos os demais espíritos, nascem bebês, crescem, se desenvolvem, estudam, aprofundam investigações, apresentam as técnicas cirúrgicas revolucionárias, um medicamento novo e eficaz, uma medicina mais humanizada. É assim que as coisas funcionam.

Se não fosse assim, seria de perguntarmos de que valeria o esforço de tantos abnegados médicos e estudiosos que se esmeram em laboratórios? Como lhes considerar as renúncias, os esforços se em outra ponta sem esforço algum, tudo fosse resolvido em poucos minutos? Terapêutica espírita não substitui a honrosa medicina, seja a convencional ou a chamada medicina alternativa.

Terapêutica espírita dirige-se essencialmente ao espírito imortal para que ele se redima, supere a dor, a doença, os problemas com coragem de um autêntico cristão.

O passe espírita, a água fluidificada ajudarão sim, beneficiarão igualmente, produzirão melhoras sensíveis, até mesmo a cura. Contudo, ainda e sempre o médico e o farmacêutico jamais deverão se deixados à revelia como se não fossem extremamente importantes.

A, a inefável misericórdia de Deus sempre proporciona ao ser humano os recursos necessários para que a paz, o bem estar ao alcance. Quando os meios convencionais ficam escassos, nunca faltam os valiosos contributivos da oração, da inspiração, da ajuda espiritual direta ou indiretamente, demonstrando o amor para tornar a vida mais suave e com menos sofrimentos. Todos os nossos sofrimentos e enfermidades encontram no espírito as causas que o desencadeiam no corpo físico, na emoção ou no psiquismo.

Desdobramento no sono

O ser real, ou seja, o ser espiritual é sempre responsável por quaisquer ocorrências no corpo físico. Em conseqüência disso, todas as providências espirituais saneadoras desses distúrbios devem ser direcionadas à matriz – ao perispírito – que modela o corpo físico.

Para atender as necessidades evolutivas dos homens reencarnados na terra, Deus permite que os espíritos que desempenharam a medicina na terra volte do mundo espiritual, para ajudar durante as enfermidades dolorosas.

Espiritualmente durante o desdobramento parcial do sono, conduzindo os enfermos a regiões de onde estavam antes de reencarnar, ali realizando transfusões de energias benéficas e curativas que se incorporarão às células.

Às vezes se utilizam médiuns, portadores de faculdades de efeitos físicos, ou de ectoplasmia para procedimentos cirúrgicos com instrumentos próprios ou sem eles.

Os fenômenos mediúnico e espírita ocorrem sempre que desejem as criaturas ou não, sendo de todos os tempos e sucedendo em toda parte, faltando somente interesse e seriedade para o seu estudo.

Todos os procedimentos espirituais que tem por meta a recuperação da saúde física são realizados no perispírito, o campo onde se encontram registradas as necessidades de evolução para o espírito.

Tudo que fazemos no transcorrer de nossas reencarnações ficam gravadas em nosso perispírito, o que vai nos ajudar no processo evolutivo, sejam atos de natureza elevada ou de recuperação.

Por isso não é preciso que as cirurgias espirituais sejam realizadas no corpo físico, muitas vezes através de comportamentos agressivo e chocante, violentando os dispositivos da técnica, da higiene, da preocupação com infecções.

Os médiuns pelos quais os espíritos cirurgiões agem são preparados no mundo espiritual antes da reencarnação para se dedicarem às atividades curadoras.

Não podem se descuidar da vigilância e da oração, a conduta exemplar a fim de continuarem credores da assistência de seus bondosos guias, sempre encarregados de confirmar a sobrevivência, a morte e as conseqüências inevitáveis do comportamento de cada qual durante a vida no corpo físico.

A Doutrina Espírita não adota as cirurgias espirituais porque os mesmos resultados que se pode obter através de procedimentos cirúrgicos por meio dos médiuns operadores, também se pode conseguir por meio de oração, da terapia de passes, de água fluidificada e inesgotáveis recursos de que dispõem os missionários do bem no plano espiritual.

Diante da necessidade de qualquer terapia convencional, alternativa ou mediúnica, torna-se imprescindível à transformação moral do paciente para melhor,

a fim de que, mediante as ações de enobrecimento, caridade, perdão, ele possa angariar valores ou virtudes que anulem os sentimentos negativos que entravam, que dificultam o nosso progresso espiritual.

A fé também é importante nesse processo de cura, pois ela aciona inexplorados mecanismos íntimos geradores de energias que ainda não utilizamos, modificando por completo nossa paisagem íntima.

Jesus também recomendou que valorizássemos nossas energias quando disse;

VOS SOIE DEUSES, VÓS PODEREIS FAZER TUDO QUE EU FAÇO E MUITO MAIS!

Com muita sabedoria a Doutrina Espírita que pode ser considerada o sublime tratado da medicina preventiva, recomenda como receita segura o Evangelho de Jesus, bálsamo e antitóxico eficaz para qualquer doença física ou espiritual.

Por meio de Jesus


Com essa receita a Doutrina Espírita está só recapitulando os ensinamento do nosso Divino Mestre pois foi Ele quem disse: VINDE A MIM TODOS VÓS QUE ESTÁS AFLITOS E SOBRECARREGADOS QUE EU VOS ALIVIAREI!

Jesus também disse: EU SOU O CAMINHO A VERDADE E A VIDA, NINGUÉM CHEGA A PAZ SE NÃO POR MIM!

Ninguém chega ao Pai, ninguém chega a cura real se não for através de Jesus, de seus ensinamentos sagrados, de sua Doutrina de Amos.. É sempre o amor que age em todas as circunstâncias que assinalam a presença do bem.

Jesus em todas as curas que fez nunca precisou fazer nenhuma espécie de cirurgia principalmente no corpo físico. Isso porque, portador de autoridade moral, já desenvolvera em si as potencialidades da alma, o que quer dizer que era possuidor de faculdades anímicas.

Não se pode considera-lo um poderoso médium curador porque o médium – o próprio nome diz – é um intermediário, um instrumento de que se servem os espíritos desencarnados.

Cristo não precisava de assistência de nenhum espírito, pois era Ele quem ajudava os outros. Era um espírito superior. Agia por si mesmo em virtude de seu poder pessoal. O que se observa na leitura atenta dos Evangelhos é que, para cada caso, Ele possuía uma maneira especial de realizar a cura.

E sempre que curava envolvia o paciente em sucessivas ondas de amor e por saber que somos espíritos eternos, necessitados de novas e contínuas reencarnações iluminativas, recomendava: Vai e não tornes a pecar para que não te aconteça coisa pior.

12.2004


Continue no Canal
+ Doutrinas Públicas