Cuidemos das crianças

Rose Mary Grebe

Lenda da Criança – Irmão X

Dizem que o Pai, após situar os primeiros homens na Terra, dividindo-os em raças, esperou anos e anos pela adesão ao Bem. Criando todos para a liberdade, aguardou pacientemente que cada um construísse seu próprio mundo de sabedoria e felicidade. Mas, com surpresa, começou a ouvir do planeta blasfêmias e reclamações, até que um dia os mais instruídos, amparados no prestigio de Espíritos superiores, se elevaram até Deus para suplicar:

– Pai, tem misericórdia de nós!… Repartimos a Terra, mas não nos entendemos… Todos reprovamos o egoísmo; no entanto, a ambição nos enlouquece e, um por um, aspiramos a possuir o maior quinhão!…

– Oh! Senhor!… Auxilia-nos!… Deste-nos a autonomia; contudo, de que modo manejá-la com segurança? Instruíste-nos códigos de amparo mútuo; no entanto, ai de nós!… Caímos, a cada passo, pelos abusos que cometemos !…

– Pai Amantíssimo, enriqueceste-nos com os preceitos da justiça; todavia, na disputa de posições indébitas, estudamos os melhores meios de nos enganarmos reciprocamente, e, muitas vezes, convertermos as nossas relações em armadilhas nas quais os mais astuciosos transfiguram os mais simples em vítimas de alucinadoras paixões…
E continuaram fazendo suas súplicas ao Pai.
Conta-se que Deus contemplou os habitantes da Terra, com imensa tristeza, e exclamou, amorosamente:

-Ah! Meus filhos!… Meus filhos!… Apesar de tudo, eu vos criei livres e livres sereis para sempre, porque, em nenhum lugar do Universo, aprovarei princípios de escravidão!…

-Oh! Senhor – soluçaram os homens – compadeça-te então de nós e renova-nos o futuro!… Queremos acertar, queremos ser bons!…

O Pai meditou, meditou, não poderia mudar as leis do Universo.

“Tereis, constantemente e seja onde for, o que fizerdes, em função de vosso próprio livre arbítrio!…”

“Conceder-vos-ei, porém, um tesouro de vida e renovação, no qual, se quiserdes, conseguireis engrandecer o progresso do Planeta… Nesse escrínio de inteligência e de amor, disporeis de todos os recursos para solidificar a fraternidade, dignificar a ciência, edificar o bem comum e elevar o direito… De um modo ou de outro, todos tereis, doravante, esse tesouro vivo, ao vosso lado, em qualquer parte da Terra, a fim de que possais aperfeiçoar o mundo e santificar o porvir!…”

 

Dito isso, o Senhor Supremo entrou nos Tabernáculos Eternos e voltou de lá trazendo um ser pequenino nos braços paternais…

Nesse augusto momento, os atormentados filhos da Terra receberam de Deus a primeira criança.

"A paternidade e a maternidade, dignamente vividas no mundo, constituem sacerdócio dos mais altos para o Espírito reencarnado na Terra, pois através dela a regeneração e o progresso se efetuam com segurança e clareza".(Nos Domínios da Mediunidade”, André Luiz)

E aí nos perguntamos, de que as crianças precisam? Como cuidar de nossas crianças?

A criança é esse ser que nasce frágil diferente da maioria dos animais, ela necessita de muitos cuidados e citaríamos como principais:

Ø Necessidades básicas de sobrevivência. ( alimentação, vestuário, sono, higiene, etc)

Os Espíritos nos informam na q. 384, L.E, que as primeiras crises da criança são de choro para excitar o interesse da mãe e provocar as atenções que lhe são necessárias. Se a criança apenas tivesse crises de alegria, quando ainda não sabe falar, pouco se inquietariam com suas necessidades.

Ø Necessidades afetivas ( amor, carinho, tranquilidade, incentivo)
Infelizmente nós, como família, estamos falhando muito. Estamos preocupados em dar o melhor aos nossos, tudo o que não tivemos. Nós trabalhamos, só pensamos nisto, para que nossa família tenha tudo de bom. Então damos as melhores roupas, brinquedos, melhor escola, um lindo quarto, com todos os recursos tecnológicos, entre outras coisas.

Também existe a outra situação, a do não ter nada, nem comida, dignidade, um mínimo necessário.

Nas duas formas não temos tempo para os nossos filhos. (Neste quesito tempo eu tenho experiência que acredito não serem só minhas: tempo se administra. Também é questão de prioridades, mas o que acontece é que muitas vezes nossas prioridades são outras, e cada um dá a justificativa que quer, inclusive para acalmar a consciência. Se você precisar de um favor, peça a alguém bastante ocupado.) Sobre o tempo vale dizer que ele não precisa ser integral, mas qualitativo.

Ø Educação.

Toda base educativa deve ser iniciada no lar, a primeira escola da criança. A família ensinará princípios morais, limites, condutas no convívio social. É importante mostrar a vida como ela é, ensinando que nem sempre se ganha. Mostrar que seus direitos vão até onde comecem os do outro. Criança precisa estar preparada fazer suas tomadas de decisões, gradativamente. Nós também estamos pelos motivos já salientados, deixando para que a escola eduque. E esta não é a função da escola.

“A principal finalidade de o Espírito nascer criança outra vez é a de ser educado novamente. As impressões positivas que recebe durante a infância podem ser determinantes em sua vida atual e até em próximas vidas.”

(Dora Incontri. P. 37 A Educação Segundo o Espiritismo)

Amália Rodrigues no livro “Compromissos de Amor”, psicografado por Divaldo Franco (p.29) nos alerta:

“ O amor, no entanto, jamais poderá transformar-se em conivência, em atitude de anuência ao erro, com o desrespeito moral das demais criaturas. Demonstrar ao infante os limites que devem seguir de fronteira entre os seus direitos e os dos outros, é dever impostergável, que compete ao educador.”

“A partir dos cinco anos de idade, a criança então internaliza os preceitos e julgamentos morais aprendidos com pai e mãe, os quais irão somar-se aos valores que o Espírito já traz dentro de si, reforçando os bons, e contrabalançando os maus, que ressurgirão com ímpeto na adolescência.” (Adriano Oliveira , RS)

Ø Proporcionar à criança o conhecimento de Deus.

Um Psicólogo e palestrante Espírita, Adenáuer Novaes, nos diz em seu livro EVANGELHO E FAMÍLIA: (P.262/263)

“O contato com o sagrado, transcendente, espiritual, ou algo se assemelhe, sempre fez parte das origens psicológicas do ser humano.

Psiquicamente necessitamos do contato com o espiritual e de estabelecer uma relação com Deus.

Muitas vezes a religião foi usada como instrumento de dominação, impondo o medo e a dominação às pessoas.

Hoje a religião deve libertar sem culpar; deve ensinar sem impor; deve educar com amor, visando a felicidade do Espírito.”

Acredito que se estamos numa Casa Espírita, é porque acreditamos em seus postulados. Então temos como uma das mais sérias responsabilidades dar um conhecimento de Deus aos nossos filhos. Vamos mostrá-lo da mesma forma que já conseguimos internalizar.

Se é uma necessidade do ser, por que esperar que ele passe por várias fazes da vida para depois ter este conhecimento?

Vamos começar com os nossos pequeninhos: orar, agradecer a Deus tudo o que recebemos a cada dia. Vamos contando historinhas de Jesus. E vamos dar aos nossos o conhecimento da Doutrina. Isto também não é a escola que faz.


Bibliografia

 

1. FRANCO, Divaldo. Compromissos de Amor. Por diversos Espíritos. 1 ed. Livraria Espírita Alvorada Editora, Salvador: BA, 2014..

 

2. INCONTRI, Dora. A Educação Segundo o Espiritismo. 5 Ed. Bragança Paulista: SP. Editora Comenius, 2003.

 

3. NETO,Francisco do Espírito Santo.Um Modo de Entender uma nova forma de viver. pelo Espírito Hammed. 6 ed, Catanduva, SP: Boa Nova Editora, 2012.


Continue no Canal
+ Rose Mary Grebe