É fácil ser espírita!

Por Edson Figueiredo de Abreu | 

Muitas pessoas acreditam que ser espírita é muito difícil e sofrem em demasia com isso, principalmente porque fazem interpretações equivocadas de alguns conceitos doutrinários.

Há algumas citações no meio espírita, umas jocosas e outras mais sérias, que denotam esse entendimento equivocado e contribuem para ampliar a ideia da dificuldade em ser espírita, são elas:

1. Se você acha que seus problemas acabarão agora que virou espírita, está redondamente enganado, pois agora é que os seus problemas começam para valer;

2. Se você foi atraído para o espiritismo é porque não deve ser boa coisa e possui débitos passados, principalmente no campo mediúnico;

3. Você, agora que é espírita deve evitar as coisas do mundo, senão, ao desencarnar, irá para o umbral em sofrimento;

4. A partir do momento que você adquiriu esse conhecimento, tem de viver em eterna vigilância, pois passa a ser um alvo de espíritos desordeiros e incautos;

5. Agora que você é espírita, terá de ler muito e estudar com afinco para sua transformação moral;

6. Se você é espírita e médium, tem de trabalhar numa casa espírita, senão sua mediunidade se desequilibra e você fica à mercê de espíritos obsessores;

7. Lembre-se que reencarnamos para pagar débitos passados, pois vivemos num mundo atrasado de provas e expiações;

8. Se você tem mediunidade, deve trabalhar no centro para conquistar o máximo de bônus horas;

9. Se você está sofrendo é porque é carma, então, aguenta porque senão será pior na próxima encarnação;

10. O orador Raul Teixeira contribui para esse entendimento negativo ao dizer que “ser espírita é para quem aguenta!”.

Diante de afirmativas assim, realmente fica difícil para qualquer um aceitar o “ser espírita” com leveza e tranquilidade. Principalmente se você acreditar nesses conceitos e, em virtude deles, achar que existe a “obrigatoriedade” espírita, conduzida pela lei de talião.

Porém, eu particularmente e muitos dos membros do Conselho do ECK, temos uma visão completamente diferente do espiritismo e entendemos o “ser espírita” como uma oportunidade de transformação moral pela modificação das ideias, sem sofrimentos impostos e à medida da aceitação e compreensão de cada um, individualmente.

 

O espiritismo é a doutrina da liberdade de pensamento e atitudes, porém, calcada na condição autônoma de responsabilidade individual, em que cada um assume livremente sua própria transformação, sem agentes externos propulsores, condutores ou ainda ditadores.

Na doutrina espírita não há imposições e sofrimentos, mas oportunidades de crescimento!!

Entendemos que não há uma “transformação real” se for “forçada” e calcada em conceitos de temores e sofrimentos, mas sim na correta compreensão das leis naturais apresentadas na Doutrina Espírita que, apreendidas e devidamente absorvidas, trazem paz e equilíbrio ao “ser espírita”, tanto encarnado quanto desencarnado. Ninguém evolui com medo de errar!!

 

Então, na realidade, é fácil ser espírita!!

a) Porque o estudo “adequado” da doutrina abre um campo maravilhoso no processo de autoconhecimento, sem obrigações desgastantes e não prazerosas;

b) Porque você, como espírita, percebe que é o único responsável por sua evolução, não dependendo de ninguém para determinar o “que” ou “como” fazer;

c) Porque o espírita sabe que a evolução é trabalho constante e isso, quando compreendido, o torna feliz e de bem com qualquer atividade;

d) Como espírita você aprende a dar o devido valor para as coisas materiais, usufruindo das mesmas de forma adequada, sem apegos excessivos. Isso te torna mais equilibrado;

e) Também entende que os processos de dor ocorrem com todos, porém o sofrimento em si, a partir da compreensão da dor, passa a ser opcional;

f) Sabemos que como espíritos ainda estagiamos em níveis aprendizados básicos espiritualmente falando e, neste sentido, nosso planeta é uma bela escola;

g) Aprendemos a primeiro nos julgar antes de julgar o próximo e isso é uma tremenda ferramenta de bem viver e interrelacionar-se. Tentamos com isso desenvolver o que há de melhor nas nossas atitudes;

h) Entendemos também que a melhor forma de evoluir é doar-se a causa espírita de forma desinteressada, porque o maior beneficiado será você mesmo;

i) Aprendemos a não cultivar desavenças e, quando elas surgem, tentamos lidar da melhor forma possível, sem guardar ressentimentos;

j) Sabemos que o verdadeiro papel do “ser espírita” é viver como espírita no mundo exemplificando, na medida do possível, pois de nada adianta ser espírita apenas nos centros;

Por todas as questões apresentadas acima, entendemos que é mesmo fácil ser espírita, desde que você realmente utilize sua capacidade de raciocínio e não se deixe levar por modismos e crenças limitantes, vivendo naturalmente a doutrina libertadora que Kardec organizou.

 

Parabéns a você que é um espírita consciente!!

Contradizendo o orador Raul Teixeira, dizemos: “ser espírita é para quem pensa!”.

Do grupo ECK

 

Acesse:

#Grupo Espiritismo com Kardec (ECK)


Continue no Canal
+ Reflexões