Encontros Espirituais de Léon Tolstoi

Léon Tolstoi, o escritor russo, teve oportunidade de, depois de sua morte, escrever através da mediunidade de Ivone do Amaral Pereira.

Em uma de suas obras assim psicografadas, ele narra que, quando ainda vivendo na Terra, tivera um amigo de nome Boris.

Eram muito afeiçoados e apreciavam ficar horas discutindo questões de filosofia.

Boris, contudo, morreu jovem, na flor dos vinte anos. Tolstoi sentiu muito a morte do amigo.

E fosse porque muito pensasse nele ou porque, de alguma forma, desejasse ter dele notícias, lhe ocorria sonhar com ele repetidas vezes.

Via-o jovial e alegre. Sempre a conversar sobre as questões do Evangelho. Embora ao acordar não conseguisse recordar a totalidade do diálogo, lembrava de alguns trechos do sonho.

Contudo, as peripécias da vida, as preocupações que se foram somando, fizeram com que muitas tribulações cercassem Tolstoi. Até ele não mais sonhar com o amigo.

Sessenta e dois anos se passaram. Tolstoi também partiu para a verdadeira pátria e teve oportunidade de reencontrar Boris.

A primeira coisa que reparou é que ele, recém saído da carne para a Espiritualidade se apresentava como um homem velho, na casa dos oitenta, enquanto o amigo estava jovem, no verdor dos vinte anos.

Quanta saudade, falou-lhe Tolstoi. Há quanto tempo não nos víamos.

Engano seu, disse Boris. Sempre nos encontramos. Você, somente pelas tantas dificuldades que o cercavam na carne, não conseguia guardar as lembranças.

Mas eu aqui estou para, especialmente, lhe agradecer pelas tantas preces que me endereçou.

Toda vez que pensava em mim com amor e saudade, um jato de luz se desprendia do seu coração e do seu cérebro e vinha em minha direção.

Era como uma irradiação de forças poderosas que me ajudava a caminhar para Deus.

Não importava onde eu me encontrasse, eu ouvia como que me chamarem, prestava atenção, e parecia reconhecer a sua voz. Isto é, a sua vibração que parecia sua voz. Ouvia o que me dizia, comovia-me e chorava de alegria.

Às vezes, junto com sua voz eu passava a enxergar a sua imagem refletida no longo jato luminoso que de você se desprendia, embora nem eu nem você saíssemos do local onde estivéssemos.

Foi assim que, ao longo desses anos, eu vi, ouvi, compreendi os seus pensamentos.

Tolstoi diz que sentiu muito reconforto com as informações do amigo. E passou a meditar no alto valor da prece, realizada com desprendimento e amor.

Prece que tem o poder de alargar o círculo afetivo entre os homens e os Espíritos e também alimentar os elos afetivos entre eles.

Diz, ele finalmente, que se os homens soubessem verdadeiramente o que é orar, se compreendessem o enorme poder da oração, do que é capaz o pensamento em prece, os homens não teriam tantas razões para chorarem os seus mortos, se desesperando ante os túmulos silenciosos!

Se você perdeu afetos, não os magoe com o seu desespero. Ore intensamente. Recorde os momentos de alegria, de felicidade juntos vividos.

Transmita a eles a sua saudade, como um ramalhete de flores de delicado perfume para que eles, onde estejam, como estejam, o recebam, como demonstração de que os que ficaram na Terra ainda e sempre os amam. Neles pensam com carinho e doce saudade.

Reflita !

Redação do Blog "Espiritismo Na Rede",
com base no cap. VI, do livro "Ressurreição e vida",
pelo Espírito Léon Tolstoi,
psicografia de Yvonne do Amaral Pereira,
Fonte: site "Fórum Espírita"
 


Continue no Canal
+ Reflexões