Energias da Vida

Rose Mary Grebe

Joanna de Angelis no capítulo “Energias da Vida” nos mostra que estas se estruturam ou se frutificam em quatro pilares: HÁBITOS MENTAIS, FRUSTRAÇOES E DEPENDÊNCIAS, SENSAÇÕES E EMOÇÕES e VIDA INTERIOR.

O que são Hábitos mentais?

Normalmente não paramos para pensar, nem nos damos conta de que nossa vida, em sua estrutura física é feita de automatismos, que viemos desenvolvendo desde os seres mais primitivos, evoluindo, sofisticando e aperfeiçoando. Nem sempre os seres tiveram cérebro, circulação, movimento independente, para citar alguns. Não precisamos pensar para que o coração bata e o sangue circule; a digestão se processa sem darmos esta ordem ao nosso sistema digestório. Tudo acontece se levarmos uma vida normal, dentro de algumas previsões, na maioria das vezes.

Já com a estrutura mental, embora sejamos seres milenares, ela se inicia quando nós, Espíritos, nos adonamos dos equipamentos do cérebro, que decodificam as ondas do pensamento. Isto vai acontecendo gradativamente, à medida que a criança vai crescendo. Então, mesmo sendo seres com bastante experiência, passamos em cada encarnação por todas as fases da vida, sempre agregando mais algum aprendizado.

Por atavismo, muitas vezes continuamos dizendo, repetindo que o cérebro pensa. Na verdade, quem pensa é o Espírito. O cérebro vai receber os comandos e vai agir.

Adenáuer Novaes, em Mito Pessoal e Destino Humano, na página 35, nos diz que:

“A mente é uma estrutura que se localiza no perispírito, sendo responsável pelo pensamento, pela formatação de ideias, pela constituição das emoções e sentimentos. O corpo físico responde aos estímulos que se originam no Espírito, passando pelo perispírito.”

O ser humano que vai seguindo sua jornada, do seu primarismo, passando por tantas experiências chega à lógica, para mais tarde alcançar uma superioridade tal que acaba se identificando com a Consciência Divina, ou o entendimento de que temos em nós a centelha de Deus, por isso somos perfectíveis. Quando atinge a razão traz em seu íntimo hábitos mentais, que passam a conduzi-lo através dos seus pensamentos.

Por isso é tão importante o que se pensa, seremos direcionados àquilo que pensamos ou que está em nossas mentes.

“ Desde que o pensamento está na diretriz da conduta, pensar corretamente deve constituir o grande desafio de quem almeja o triunfo.” (Vida: Desafios e Soluções. P.51)

Somos herdeiros de nós mesmos. Joanna de Angelis e outros Espíritos sempre nos lembram deste fato. Mas, como seres de posse do livre-arbítrio, podemos nos deixar arrastar por muitos descaminhos que acabam comprometendo o nosso progresso, nossa evolução moral.

Em decorrência disto, nossas reencarnações se movem por pensamentos de: DOR, CULPA, ANGÚSTIA, PESSIMISMO.
Como o pensamento é que nos dirige, passamos a viver e repetir sofrimento, nosso modelo é o da dor, em todo o seu sentido.

Com este modelo guardado na mente, vivemos de mal com a vida. E nossas atitudes diante dela são:

  • Falar em falta de sorte;
  • Viver de mau humor;
  • Fazer insinuações maléficas;
  • Pensar mal do outro, etc

Sabedores de que o pensamento nos comanda, e que na maioria das vezes, nem temos consciência ou lembrança do que pensamos, precisamos começar a fazer uma espécie de policiamento. A princípio, difícil, o pensamento vem, quando nos damos conta, já pensamos, divagamos, formamos a resposta, etc. Aos pouquinhos poderemos começar a fazer a seleção e substituição.
Para exemplificar: pensei neste momento que se determinada pessoa, o meu chefe, quem sabe, me disser alguma coisa, vou dizer uma porção de desaforos, tudo o que sempre tive vontade, e depois peço a minha demissão.

Quando eu consigo filtrar este tipo de pensamento, posso, imediatamente modificá-lo.

Não, hoje eu estou muito bem, sou cumpridora dos meus deveres, fiz tudo o que me foi pedido. Então, se o chefe aparecer, com certeza, é para fazer algum elogio.

Isto é só um exemplo, pode ser que nada disto aconteça, mas a minha mente estará diferente, as energias negativas foram substituídas.

“O novo hábito se irá implantando lentamente no subconsciente até tornar-se parte integrante do comportamento.
Pensar bem ou mal é uma questão de hábito.”
(Vida: Desafios e Soluções. P. 52)

Frustrações e dependências

“ O indivíduo está sempre no momento presente, que é o seu instante decisório. O passado, por isso mesmo, não pode servir de parâmetro, senão para aprender como não repetir os erros, pois que é irrecuperável, no entanto, reparável.”
(Vida: Desafios e Soluções. P. 53)

Nada existe que faça voltar aquele momento em que determinado fato aconteceu. Mas nós insistimos no SE… Se eu tivesse falado… Se eu tivesse comprado… Se eu tivesse estudado… Se eu tivesse corrido menos… Se eu tivesse sido mais paciente…
O passado é como a água de um rio. Passou, jamais voltará. Não adianta ficarmos nos lamentando, sofrendo por algo impossível de modificar. Mas adianta pensarmos, sem culpa, raiva, desespero para podermos, a seguir, fazer diferente. É para isto que serve, em alguns momentos a nossa lembrança.

Inúmeros momentos vividos que ficamos relembrando contribuem para nossas frustrações pessoais:

  • Convívio familiar insatisfatório;
  • Inveja pelo triunfo de outras pessoas;
  • Relacionamentos conflituosos;
  • Pequenos insucessos, etc.

“Todo séqüito de frustrações leva o indivíduo à dependência emocional, criando tabus, buscando amuletos para a sorte madrasta, tentando o sobrenatural, procurando soluções mágicas para o que poderá tornar-se um desafio ao alcance da vitória, na luta encetada.” (Joanna de Angelis. P. 54)

Então fugimos da realidade, que é o que precisamos resolver, e procuramos uma porção de coisas irreais.
Não existe mágica para sairmos dos problemas. Há que se enfrentá-los, com racionalidade.

Parece-nos muito difícil, ainda, o entendimento de que estamos no planeta certo, rodeado das pessoas certas e necessárias, inseridos na família de que precisamos, com tudo o que é necessário à nossa evolução. O que é que precisamos fazer, então? Tirar proveito das situações, mesmo as mais adversas, Certamente uma grande lição ali estará presente.

Sensações e emoções

A criatura humana é, segundo Joanna de Angelis, um feixe de sensações. Isto em razão do início de nossa evolução, deixaram impressões profundas, sempre aguardando um momento para aflorar. Nosso comportamento, nas mais diversas situações da vida, será regido por essas sensações guardadas.

Quando ainda muito fortes essas sensações, o Espírito quer ter, sem a preocupação do ser. Preocupa-se com a felicidade do POSSUIR, não parando somente nos objetos que lhe dão a satisfação momentânea, mas se compraz em possuir as pessoas, nem sempre dispostas a isso.

Não satisfeito em suas necessidades de posse, acaba por descaminhos, que, não raro, levam às dependências alcoólicas, do fumo, da droga, etc.

“O homem-sensação é exigente e possuidor, não se apercebendo do valor da liberdade dos outros, que pretende controlar, nem dos deveres para com a sociedade que se lhe não submete. (Vida: Desafios e Soluções. P.56)

É neste estágio que o ser se volta contra todos os que a ele não se submetem, contra as leis vigentes, as pessoas livres, tiranizando com os meios de que dispõe.

É preciso fazer fluir a emoção, que acontece quando a consciência desperta. Este despertamento acontece por muitas vias: pessoas, sofrimento, humilhação…

“Ao despertar a emoção, torna-se natural a valorização do próximo e da vida, o respeito pelos valores humanos e gerais, ao mesmo tempo que trabalha em favor do progresso, que preza, ampliando os horizontes de entendimento e de realização interior.” (Vida: Desafios e Soluções. P.56)

É importante dizer que duranteo período da emoção, o ser não está livre das sensações, que lhe oferecem prazeres, alegrias, alertas, mas tudo está sob controle, do mesmo modo que no período das sensações, também é acometido por emoções, porém de forma desordenada, algumas vezes proporcionando bem-estar, o que o leva a querer crescer.

Vida Interior

“Tão necessário quanto a alimentação para uma existência saudável, o cultivo da reflexão, oração e da meditação torna-se de relevância.” (Vida: Desafios e Soluções. P.58)

Nossa tendência é valorizar as coisas físicas. Estamos na era dos regimes mirabolantes, das dietas mágicas, das atividades físicas que prometem maravilhas, além dos produtos e tratamentos rejuvenescedores e embelezadores. Tudo isto é muito válido, precisamos cuidar do corpo, veículo usado pelo Espírito, que somos nós. Mas precisamos nos conscientizar que o interior, ou o psíquico, é que vai organizar o físico. Daí a importância de uma harmonia interior para fazer uma modelagem exterior saudável.
Nesta caminhada em busca da saúde, do corpo perfeito, muitas vezes, nos perdemos nos excessos que nos levam a um isolamento tal, nos esquecendo dos que nos rodeiam e que precisam de nós como precisamos deles. É neste momento que percebemos corpos sarados, rostos bonitos, mas nenhum brilho nos olhos. Porque a vida passa a girar em torno disto.

Que engano este!. Será que já percebemos o olhar de algumas pessoas do bem? Muitas vezes com rugas, mas “Rugas alegres”. Será que já percebemos o olhar de pessoas cumpridoras de seus deveres, mas que não querem abraçar o mundo de uma só vez? Será que já percebemos o olhar das pessoas pacientes?, Das pessoas serenas? Dizem que os olhos são o espelho da alma.

“ A vida interior bem direcionada ensina a criatura a aceitar-se como é, sem desejar imitar modelos transitórios das glorias momentâneas, que brilham sob os focos das lâmpadas da ilusão; mas também a não ambicionar parecer-se com outrem, cujas características são belas nele e não em quem as aspira.”(Vida: Desafios e Soluções. P.58)

Ao se aceitar, entendendo que existem dificuldades a serem vencidas, o ser começa a entender um outro sentimento, o amor. Não este amor do dar e receber, mas o amor que abre mão, não espera nada em troca, não se preocupa com quem está vendo o seu gesto.

É o momento em que nosso interior entende sua destinação espiritual, que é a conquista da felicidade, agora, apesar de tantas coisas tristes. Mas nossa vida interior está acima, e pode, desta forma ajudar. Isto é amor.

Bibliografia

1. FRANCO, Divaldo, pelo espírito Joanna de Angelis: Vida: Desafios e Soluções.
2. FRANCO, Divaldo, pelo Espírito Joanna De angelis. Reformador, julho 2008, p.9.
3. NOVAES, Marcos Ferraz de. Mito Pessoal e Destino Humano. Salvador: Fundação Lar Harmonia, 2005.

Para esta exposição foi usado o capítulo “Energias da Vida”, do livro “Vida: Desafios e Soluções”, de Divaldo Franco, com Psicografia de Joanna de Angelis.

 


Continue no Canal
+ Rose Mary Grebe