Esther Fregossi, presidente da FEC

Esther Fregossi, em visita à FEB

Esther Fregossi fala sobre movimento e diálogo.

Entrevista à Manoel Fernandes Neto, editor do Portal Nova Era.

Esther Fregossi, atual presidente da Federação Espírita Catarinense – FEC, está pronta para um novo mandato à frente da entidade federativa.

Nesta entrevista, exclusiva para o portal Nova Era, ela detalha a importância do evento “Encontro de áreas”, que acontece no dia 23 de novembro, em Blumenau, bem como, as conquistas e transformações do movimento federativo. “Verificamos que nas últimas décadas a FEC está sofrendo mudanças estruturais e operacionais muito positivas em virtude das demandas das bases, seus associados, que sinalizam para a necessidade de maior dinamismo e integração”, explica.

Em relação ao momento atual, Esther valoriza o diálogo e cita o exemplo de Allan Kardec, que sempre manteve conversações, mesmo com adversários. “ É importante neste momento grave que vivemos que nós espíritas, ponderemos nossas manifestações nas redes sociais para não oferecermos margem à divulgação de mensagens e posicionamentos que não tenham por objetivo promover o Bem”, afirma.

Esther também fala da importância do Centro Espírita como célula de amor ao próximo nos dois planos da Vida. “A qualidade das atividades que um Centro Espírita realiza são proporcionais ao patrimônio de amor que os seus seareiros nos planos físico e espiritual investem, por isso, nunca devemos deixar de agradecer aqueles trabalham incansavelmente para que este espaço oferte psicosfera salutar nos proporcionando harmonia e paz.”, diz a presidente.

Leia à seguir a entrevista na íntegra:

Qual a importância do evento Encontro de Áreas, da FEC, que ocorre da 23 de novembro? Qual a sua expectativa?

Esther Fregossi – Consideramos o “Encontro de Áreas” um dos mais importantes eventos federativos, pois propõe uma ação estratégica que visa o fortalecimento da estrutura federativa e a capacitação continuada de multiplicadores, com a finalidade específica de subsidiar os Centros Espíritas para alcançar a máxima qualidade e segurança na realização das atividades espíritas.

O Centro Espírita para alcançar suas finalidades necessita de tarefeiros conscientes das suas responsabilidades, que estudem com afinco as Obras de Allan Kardec e, concomitantemente, estudem os Documentos Norteadores do CFN-FEB que orientam a prática de todas as Atividades Espíritas.

No Encontro de Áreas divulgamos esses importantes documentos do Movimento Espírita Nacional, destacando a importância da sua implementação no Centro Espírita.

Como são ao todo 19 Documentos Orientadores do CFN-FEB, um para uma atividade específica do Centro Espírita, é preciso definir uma estratégia integrada para que estes importantes conteúdos sejam disponibilizados de forma sistematizada e continuada a todos os seareiros do Centro Espírita. Por esta razão, convocamos especificamente para o Encontro de Áreas os Dirigentes (Presidentes) das Instituições (Casas e UREs), e, os coordenadores e/ou Diretores de Departamentos ou Atividades da URE e das Casas Espíritas.

 

Em reuniões setoriais em na assembleia, refletiremos juntos sobre os conteúdos que norteiam em nível nacional as atividades Espíritas, visando fornecer os recursos básicos aos líderes que se estarão encarregados da sua multiplicação. São necessárias várias ações para cada documento, por isso o “Encontro de Áreas” se repete a cada ano.

De outro lado, a estratégia de implementação dos documentos poderá se dar – a depender da estrutura regional – através dos diretores de setores e departamentos nas próprias Casas, ou através dos coordenadores de áreas das UREs que recebem apoio direto das Vice-Presidências da FEC e poderão ofertar a capacitação integrada na região.

A nossa expectativa nesta que será a terceira edição do evento este ano, é de podermos contar com o público alvo, em especial as lideranças das UREs 4, 6 e 13, para juntos concretizarmos a implantação dos documentos nacionais, cumprindo nosso papel junto ao Pacto Áureo.

Novo mandato, planos renovados. Quais são os principais projetos para esse novo período?

Esther Fregossi –  Nesta nova etapa, daremos continuidade ao trabalho já iniciado, sempre buscando o diálogo constante com todas as instâncias da estrutura federativa. Nosso maior esforço sempre será o de fomentar o planejamento e a construção coletiva, como meio legítimos de fortalecer as bases e de consolidar a solidariedade e a fraternidade na Família Espírita Catarinense. Abaixo reproduzimos as Diretrizes e Objetivos constantes no Plano de Trabalho da Chapa “Trabalho, Solidariedade e Tolerância”:

Diretrizes: (Com base no Plano de Trabalho para o Movimento Espírita Brasileiro CFN-FEB 2018-2022)

O ESTUDO REGULAR E CONTINUADO DA DOUTRINA ESPÍRITA COM ÊNFASE NAS OBRAS BÁSICAS. (Diretrizes1, 2 e 8)

PROMOÇÃO DO LIVRO ESPÍRITA PRIMANDO PELA FIDELIDADE DOUTRINÁRIA. (Diretriz1, 2 e 8)

O APRIMORAMENTO CONSTANTE E CONTINUADO DO TRABALHADOR ESPÍRITA CATARINENSE. (Diretrizes 4 e 7)
A UNIÃO DOS ESPÍRITAS E O TRABALHO EM PROL DA UNIFICAÇÃO (Diretriz 6)

ADEQUAÇÃO DA ESTRUTURA FEDERATIVA PARA O NOVO MILÊNIO. (Diretrizes: 1, 2, 4, 5, 6 e 9)

Objetivos

* DIFUNDIR E IMPLEMENTAR OS DOCUMENTOS NORTEADORES NACIONAIS (CFN-FEB).

* FORTALECER O SISTEMA FEDERATIVO APOIANDO E SUBSIDIANDO OS ÓRGÃOS DE UNIFICAÇÃO.

* CONTRIBUIR COM AS INSTITUIÇÕES ESPÍRITAS PARA MELHOR ATENDIMENTO DAS SUAS FINALIDADES.

* APRIMORAR E DINAMIZAR A ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DA FEC

* BUSCAR MEIOS DE GARANTIR A SUSTENTABILIDADE DO MOVIMENTO ESPÍRITA EM SANTA CATARINA.

Nosso principal anseio é o estreitamento dos laços fraternais entre os membros da Família Espírita Catarinense, para que todos nos sintamos parte de um único núcleo que sinérgico e harmônico procura difundir em teoria e prática os princípios espíritas nesta hora grave em que vivemos.

Qual o balanço que você faz do que foi conquistado nos últimos anos pela FEC?

Esther Fregossi –  Verificamos que nas últimas décadas a FEC está sofrendo mudanças estruturais e operacionais muito positivas em virtude das demandas das bases, seus associados, que sinalizam para a necessidade de maior dinamismo e integração. Constatamos gratificados um amadurecimento coletivo das lideranças espíritas em Santa Catarina, cuja pujança e vanguardismo se refletem na gestão da FEC e repercutem de forma muito significativa em plano nacional.

Nossa participação no Conselho Federativo Nacional da FEB atesta que a FEC tem contribuído muito significativamente nas iniciativas profícuas de aperfeiçoamento dos processos federativos e na elaboração dos Documentos Norteadores do CFN- FEB. A FEC integra diversas Comissões do CFN e nossa contribuição (do Movimento Espírita Catarinense que representamos) é reconhecida nacionalmente.

Recentemente participamos da Comissão das Entidades Especializadas do CFN-FEB e colaboramos na elaboração e aprovação do Regimento Interno do Fórum das Entidades Especializadas que norteará as Ações das AMEs, ABRAMEs, AJEs, ABRADEs, etc, visando a integração efetiva das mesmas na estrutura federativa, possibilitando que estas entidades possam colaborar e contribuir formalmente com as Federativas Estaduais em nível nacional.

Igualmente é necessário destacar o importante papel que o Conselho Federativo Estadual da FEC vem realizando, possibilitando as mudanças necessárias para a dinamização do movimento espírita, quais sejam a aprovação do Plano Trienal de Trabalho, a elaboração do Novo Regimento Interno, que ainda em análise, e a criação da Comissão de Sustentabilidade do CFE-FEC.

 

Esta última iniciativa, inédita, está permitindo um debate amplo e profundo sobre assuntos até então “tabu” em todas as instâncias do movimento espírita estadual. O CFE trouxe como pauta prioritária o debate sobre os recursos e os métodos que sustentam nossa estrutura federativa, o que nos permitirá avaliar, aperfeiçoar e legitimar diretrizes comuns que garantam a sustentabilidade de toda estrutura espírita pautadas na ética e nos princípios cristãos que abraçamos.

Vivemos em um tempo polarizado em que as vezes os debates são acalorados em diversas áreas. Como você enxerga que deve ser a postura do espírita no tocante ao diálogo constante que faz parte da natureza da Doutrina?

Esther Fregossi –  A postura do Espírita deve ser sempre aquela coerente com os princípios espíritas.
No Movimento Espírita não deve haver posicionamento político partidário, todos nós representamos instituições e nossa conduta pessoal compromete positiva ou negativamente estas organizações que devem ser reconhecidas por divulgar e vivenciar os princípios cristãos.

Dialogar é sempre saudável, desde que primemos pelo respeito a posicionamentos diferentes aos nossos. Creio que seria prudente primeiramente refletir se os nossos posicionamentos pessoais estão efetivamente em consonância com os princípios libertadores que abraçamos.

 

Recomendamos a leitura e a reflexão do texto de Allan Kardec constante no Livro “A Viagem Espírita de 1862”, quando o sábio professor discorre sobre os princípios dos sistemas de reforma social, texto atualíssimo.

O sr. Allan Kardec é, aliás, a referência por excelência no que tange a capacidade de dialogar com opositores e antagonistas com fidelidade absoluta aos princípios espíritas, que é a sua base de argumentação sempre, desconstruindo os argumentos materialistas com respeito fraternal. A Revista Espírita constitui um manancial inesgotável de inspiração para que todos nós saibamos nos posicionar sem alimentar polarizações ou animosidades.

É importante neste momento grave que vivemos que nós espíritas, ponderemos nossas manifestações nas redes sociais para não darmos margem a divulgação de mensagens e posicionamentos que não tenham por objetivo promover o Bem.

Qual o papel das casas espíritas na busca por um planeta de regeneração?

Esther Fregossi –  Reconhecidamente o Centro Espírita tem um papel preponderante na Sociedade pois sua finalidade é Acolher, Consolar, Esclarecer e Orientar à Luz do Espiritismo todos, nos dois Planos, os que sofrem e buscam amparo espiritual.

A Transformação Moral que o Espiritismo preconiza será alcançado na medida em que a sociedade conheça e pratique as lições do Evangelho Redivivo. Neste contexto o Centro Espírita é a célula básica para a promoção do Homem de Bem.

As diversas atividades que os Centros Espíritas realizam ampliam as possibilidades da renovação moral que almejamos, nos diversos públicos atendidos: crianças, jovens, adultos e idosos.

Considerando ainda as dimensões espirituais das atividades espíritas, verificamos que é neste núcleo que a família terrena, encarnada e desencarnada, encontra respostas e recursos para minimizar as dores morais que caracterizam a humanidade neste período.

É no Centro Espírita que trabalhamos com a assistência dos Amigos Maiores não só pelo atendimento das aflições humanas, mas especialmente, pela prevenção das mazelas espirituais que são a gênese dos nossos desafios evolutivos.

É tão importante e essencial o trabalho do Centro Espírita que foi idealizada por Ismael, toda uma estrutura federativa, pensada para subsidiar as suas atividades, garantindo-lhes segurança doutrinária e a correspondente qualidade nos serviços prestados.

Importante destacar a relevância neste contexto das palestras públicas de um Centro Espírita, onde o público em geral tem acesso ao princípios libertadores da Doutrina Espírita. É neste serviço que consolamos e esclarecemos valorizando a vida e minimizando o sofrimento daqueles que vieram muitas vezes como última alternativa em total desespero. Ofertando amor fraternal remédio eficaz para todas as dores o Centro Espírita é um pronto socorro de inestimável valor.

 

A qualidade das atividades que um Centro Espírita realiza são proporcionais ao patrimônio de amor que os seus seareiros nos planos físico e espiritual investem, por isso, nunca devemos deixar de agradecer aqueles trabalham incansavelmente para que este espaço oferte psicosfera salutar nos proporcionando harmonia e paz.

 


Continue no Canal
+ Entrevistas