Filosofar e servir

Jesus cumpriu sua missão divina destilando-a do exemplo e da conduta, vivenciando-a ao extremo, através de seus próprios ensinamentos revolucionários e transcendentes, deixando claro que há um abismo a ser transposto entre filosofar e servir.

"O amor do Cristo nos constrange."
— Paulo, (II Coríntios, 5:14.)

É lamentável compararmos a distância existente entre a conduta filosófica de Jesus e a estreita visão teológica das religiões dominantes, acomodada no culto da mera adoração exterior de um mito, um “homem-deus” inacessível, constantemente à mercê de nossos caprichos infantis, e com essa atitude impermeabilizar seus adeptos ao trabalho de autotransformação real, frente aos imperativos do mundo e às realidades transcendentes do espírito imortal.

Emmanuel convida-nos a refletir: “O que diríamos de um Salvador que estatuísse regras para a Humanidade, sem partilhar-lhe as dificuldades e impedimentos?”

E acrescenta: “O Cristo iniciou a missão divina entre homens do campo, viveu entre doutores irritados e pecadores rebeldes, uniu-se a doentes e aflitos, comeu o pão duro dos pescadores humildes e terminou a tarefa santa martirizado entre dois ladrões”.

Jesus cumpriu sua missão divina destilando-a do exemplo e da conduta, vivenciando-a ao extremo, através de seus próprios ensinamentos revolucionários e transcendentes, deixando claro que há um abismo a ser transposto entre filosofar e servir.

Por isso mesmo enfatizava: “As obras que eu faço em nome de meu Pai, essas testificam de mim” (João, 10:25).

E qual missão divina seria essa que Jesus iniciou entre os homens? A que obras se refere? que trabalho seria este?

Não seria, justamente, o convite explícito para que igualmente nos lançássemos a braços no trabalho de edificação íntima, bem como na movimentação incondicional em favor de nossos irmãos em humanidade, na medida de nossas possibilidades e aptidões?

Enquanto não despertarmos nossa inteligência espiritual, encetando-nos corajosamente e sacrificalmente pela sublime rota do Cristo, permaneceremos nas inferioridades da apatia mundana, com suas inconseqüentes buscas de prazer e alucinantes fugas à responsabilidade, vegetando moralmente entre deprimidos e escandalizados, toda vez que depararmos com a triste realidade do mundo à nossa volta.

Equipe Consciesp

Centro de Estudos Espíritas Paulo Apóstolo
http://www.consciesp.org.br/index.php

{{texto::pagina=1005}}


Continue no Canal
+ Jesus Agora