Que possamos dizer em breve:
Feliz 2021 !

Nos meus inquietos pensamentos, ainda lembro com nitidez o pipocar dos multicoloridos rojões da virada de ano, as cascatas de luzes descendo dos grandes edifícios, as pessoas vestidas de branco cumprimentando-se efusivamente, desejando paz, saúde e um auspicioso Ano Novo. A multidão movimentava-se ligeira de lá pra cá e de cá pra lá, em busca de atender os seus anseios pessoais, enquanto o ano de 2020 se apressava em chegar…

Em pouco tempo, a Escola da Vida daria início a mais uma importante lição e como num ‘passe de mágica’, os noticiários locais, internacionais e em todas as mídias sociais vinha o alerta de que no Brasil, uma pessoa encontra-se infectada com o vírus, que a OMS -Organização Mundial de Saúde- denominou de COVID-19, ou seja: CO-rona VI-rus D-ísease 19- ano em que o primeiro caso foi identificado em Wuhan na China, sendo uma doença séria, que causa a Síndrome Respiratória Aguda Grave;

O vírus incontrolável, logo se disseminou por vários Países e por fim atingiu todo o Planeta, deixando milhares de infectados, milhares de mortos e também milhares de pessoas recuperadas. Com a pandemia instalada, em poucos dias o “lockdowm” é declarado. Tudo pára! O caos se instala! A calamidade se apresenta! Fecham escolas, templos religiosos, comércio e a industria em geral… as primeiras providências começaram ser tomadas: Lavar bem as mãos com água e sabão/ usar álcool em gel, manter o distanciamento social e usar máscara ao sair de casa, são as principais formas de evitar o contágio. O slogam “Fique em casa” se espalhou ligeiro; Apesar de todos os alertas, muitos incrédulos não observaram as determinações da Ciência, e continuam circulando sem os cuidados adequados… Enquanto os profissionais da área da saúde, lutam incansavelmente, para buscar uma vacina a fim de combater o vírus destruidor.

E o homem se vê, em meio a uma aflição coletiva e precisa lidar com essa dura experiência.

Os dias que seguem são de incertezas, angústias, dores, solidão, medos, perdas, muitas perdas… E a pergunta é: Por que temos que passar por tudo isso?

Jesus já nos disse:

“No mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo”. (Jo, 16:33)

Portanto, estamos aqui para aprendermos com as aflições, e, com as dores que batem em nossas portas. Não estamos na Terra a passeio, estamos aqui para nos educarmos, provarmos e seguirmos a nossa jornada, rumo à perfeição. A nossa fé vacila em alguns instantes, mas continuemos fortes e com a certeza de que tudo passa, e isso também passará.

Em nosso socorro vem a Doutrina Espírita que através da lucidez de Emmanuel, pela psicografia de Francisco Cândido Xavier, na Revista Reformador de 1954 p.143 nos diz:

“A aflição é um desafio que poucos suportam, lição que raros aprendem e tesouro que não se recebe facilmente. Depois de regulares períodos de paz e ordem, a alma é visitada pela aflição que, em nome da Sabedoria Divina, lhe afere os valores e conquistas. Raros, porém, são aqueles que a recebem dignamente.(…)”

 

Sabemos que nada acontece por acaso e que há um objetivo maior dentro das Leis Divinas. Precisamos aferir os valores e conquistas que dizemos possuir. A prova é a aferição, a maneira de sabermos se podemos prosseguir .

Novamente Emmanuel no Livro da Esperança, psicografia de Francisco Cândido Xavier, diz:

“(…) O amor brilha e paira sobre todas as dificuldades, à maneira do sol que paira e brilha sobre todas as nuvens. Ao invés de revolta e desalento, oferece paz e esperança ao companheiro que chora, para que, à frente de todo mal, todo o bem prevaleça. Isso porque onde existem almas sinceras, à procura do bem, o sofrimento é sempre o remédio justo da vida para que, junto delas, não suceda o pior.”

Tenhamos fé, confiança e certeza de que em tudo há um Pai que vela por nós. Procuremos ressignificar a aflição, com coragem e persistência dividindo com caridade um pouco de tudo o que temos recebido, ou, com nosso sorriso, nossas palavras, nosso olhar !

 

Será que já conseguimos observar o excluído, o invisível, o miserável que permanece nas ruas como um zumbi sem que ninguém o assista ou socorra, como se fosse um de nossos irmãos ?

Enfim, sejamos mais fraternos, mais amorosos, mais proativos, conscientes das necessidades que temos em nos melhorarmos, buscando o burilamento, clareando nossas mentes e buscando um norte e uma certeza de que a nau não está a deriva e que Jesus, Governador Espiritual do Planeta, nos auxilia em mais essa experiência que nos é colocada no Laboratório da Vida…

Que possamos dizer em breve: Feliz 2021 !


Continue no Canal
+ Edir Salete