Quem é Feliz no Caminho…

\"\"

"Quem é feliz no caminho, feliz será… aonde quer que vá!"
(Propaganda institucional do Colégio Energia, de Florianópolis.)

Ultimamente temos presenciado o investimento maciço em propaganda, por parte dos principais colégios de segundo grau e cursos preparatórios para o exame vestibular, em nossa região. O objetivo maior, é claro, situa-se na disputa por expressiva fatia de mercado, fazendo com que alunos representem cifrões.

Todavia, independentemente do interesse comercial e/ou financeiro, há que se considerar que os marqueteiros têm realmente sido muito felizes na definição das estratégias, campanhas e slogans. A frase que introduz nosso artigo é um exemplo notório disso. Fala, pois, da felicidade, enquanto busca e aspiração do ser e, em conseqüência, motiva-nos a pensar acerca da circunstância de que uma criatura feliz interiormente, realizada (pelo menos naquele instante temporal), consegue desenvolver suas diferentes práticas e atividades com tal espírito, isto é, acaba por permear suas diversas realizações com o entusiasmo, a vontade e o sentimento que vivencia e, em conseqüência, os resultados que alcançar dependerão daquelas premissas.

Ficamos a nos perguntar acerca das formas pelas quais é realizada a divulgação da mensagem espírita. Isto importa, necessariamente, no resultado que se busca alcançar. Temos observado que as campanhas publicitárias, as propagandas de TV e rádio, os releases e demais métodos de divulgação de eventos, programas, livros ou instituições espíritas, têm uma inadequada forma de abordagem: destinam-se, tão-somente àqueles que já são espíritas, ou, pelo menos simpatizantes da filosofia espírita. Desta forma, ficamos num ciclo vicioso de fazer divulgação do espiritismo para aqueles que já estão sensibilizados para as idéias espiritistas.

Perde-se, com isso, uma excelente oportunidade de cativar aqueles que ainda não tiveram a chance de apreciar o "conteúdo", o teor da mensagem, justamente porque o "rótulo", a aparência lhes causa uma certa aversão, principalmente se o indivíduo estiver influenciado pelas idéias e expressões inverídicas acerca do espiritismo, divulgadas seja pela mídia, seja pelas igrejas tradicionais.

A proposta é, em verdade, alterar a forma pela qual é divulgada a mensagem espírita, evitando-se a linguagem exclusivista (que exclui, de primeira, todos aqueles que pensam diferente). A grande proposta da atualidade é estabelecer um diálogo sincero com todos, visando o estabelecimento de parcerias, com união de esforços e iniciativas, visando o equacionamento dos graves problemas sociais de nosso tempo. Sem preconceitos ou prejulgamentos, insistir nos pontos de convergência e deixar de lado as pequenas divergências conceituais.

Tudo isto na busca da real felicidade!

{{texto::pagina=1009}}

 


Continue no Canal
+ Marcelo Henrique