Quem é você?

Alessandra Dietrich, alessandra.dietric[email protected]br

Quantas pessoas conseguem responder esta pergunta tão profunda? Gostaria que fossem muitas. Mas infelizmente isso não condiz com a realidade. A maioria não sabe quem é. Não sabe por que nunca ousou se perguntar ou nunca ousou ouvir a resposta. Ou porque não tem tempo de pensar no assunto, ou nunca teve chance de entrar em contato com esta questão. Sei que muitas pessoas podem pensar que não sei o que estou dizendo, que obviamente todos sabemos quem somos. Mas não quero uma resposta convencional do tipo: qual seu nome, sua profissão, qual seu hobby.

Quero saber se você sabe quem você é de verdade.

Porque a primeira dificuldade é descobrir isso, a segunda dificuldade é aceitar, e a terceira é viver de acordo com essa verdade. Há pessoas que até descobrem, mas nunca aceitam e muito menos se permitem viver de acordo. Outras descobrem e até aceitam, mas jamais a viverão.

Eu não diria que são covardes, porque realmente não é tão fácil assumir. Diria somente que elas não são ousadas o bastante. Afinal, a verdade não é para qualquer um, é preciso muita coragem para conseguir suportá-la. Pois a visão gera tensão. A visão gera sofrimento. Então não serve para quem quer levar uma vida pacata sem maior stress.

O intuito é viver a vida em sua plenitude, é sentir-se conectado com todas as coisas. Como você pode experimentar isso sem ao menos saber quem é? Quais são seus objetivos mais elevados? Por que você está aqui? Qual será a sua missão? O que faz seus olhos brilharem de verdade?

Admita para você mesmo (não precisa contar a ninguém se ainda não estiver preparado). Aceite primeiro, mas seja honesto consigo.

Do que gosta realmente? Não o que “deveria” gostar, ou o que gostariam que você gostasse.

Permita-se pensar sobre isso.

Você tem a vida que gostaria de ter? É do tamanho dos seus sonhos ou desejos mais íntimos?

Pense que, se você soubesse que teria que viver sua vida novamente, exatamente igual, como se sentiria? Viva de forma que você no mínimo goste muito desta idéia.

Não estou falando financeiramente, pois isso não é facilmente controlável por nós. Estou falando de outra coisa, pois o dinheiro é somente uma distração, que nos desvia do caminho essencial a nossa evolução, e se não percebermos a tempo, ele toma conta de nossas vidas.

Se você conseguir responder a essas perguntas (leve o tempo que precisar), já estará no caminho. Mas não se iluda de que será fácil colocar tudo isso em prática, talvez seja o maior desafio de sua vida. Mas mesmo assim, vale muito a pena. É por isso que estamos aqui, para viver da forma como fomos criados, não tentando sempre ser de forma diferente. Estamos aqui para pensarmos por nós próprios além de tudo, e não somente reproduzirmos o que ouvimos sem questionamentos.

Devemos acima de tudo ouvir nossa voz interior sempre, mesmo nos momentos em que parece que ela nos diz para tomarmos um caminho que vai para o lado oposto do que os outros te dizem, e você fica completamente perdido, em dúvida e assustado.

O seu “eu” sabe para onde deve ir, mesmo que conscientemente você não saiba. Acredite nele! Comece a testar, por mais que te digam que você deve estar louco. Não caia nessa. Teste e confira você mesmo.

Não há outra maneira de sentir. Isso é viver com consciência.

Gostaria de terminar com uma frase do filósofo Nietzsche, que considero de uma riqueza absoluta, e que nos mínimo nos faz pensar:

Torna-te o que tu és!

Acho que após esta citação, nada mais precisa ser dito!

Leia +

{{edicoes}}


Continue no Canal
+ Alessandra Dietrich Viotti