Três ecologias e três consciências

Marlene Dierschnabel da Silva

A ARTE DE VIVER EM PAZ COM OS OUTROS, UMA QUESTÃO DE ECOLOGIA SOCIAL!
A ARTE DE VIVER EM PAZ COM A NATUREZA, UMA QUESTÃO DE ECOLOGIA AMBIENTAL!
A ARTE DE VIVER EM PAZ COM CONSIGO MESMO, UMA QUESTÃO DE ECOLOGIA INTERIOR!
(Pierre Weil)

Vivemos constantemente numa agitação frenética. As nossas emoções destrutivas como a raiva ou o ciúme, criam tensões no nosso corpo. Essas emoções são as grandes causadoras do estresse, promovendo conflitos com os outros e consigo mesmo. Uma pessoa que sofre faz sofrer os outros. E como isso se dá? Pelo ciúme, pelo apego exagerado a bens materiais, pessoas ou até mesmo ideias. A rejeição e a raiva, o orgulho e a indiferença, também podem contribuir para isso. Agredir ao outro ou agredir a si mesmo resulta em sofrimento. Deixamo-nos levar por elas e perdemos o autocontrole.

No pensamento existe uma dualidade marcante, que é da nossa natureza: tudo dividir. Dividimos a nossa percepção em duas partes: Eu e o mundo, o espaço interior e o espaço exterior, eu e os objetos, e assim por diante.

Percebemos o mundo como exterior a nós. Esquecemos que estamos vibrando numa sintonia energética, com todos os seres, que constituem o nosso planeta e que, por sua vez, fazem parte do Cosmos. Exploramos a natureza do nosso planeta até não sobrar mais nada. Não nos damos conta que estamos nos destruindo. Temos uma só preocupação, a consciência do Ter (eu + eu mesmo) e não a do Ser.

Segundo Amit Goswami, o mundo é feito de consciência. Nos fala que a consciência é algo transcendental, está fora do espaço-tempo, não é local, está em tudo. É a própria consciência que cria o mundo físico (material). A consciência é o elo que nos liga aos outros e ao mundo. Estamos intimamente conectados com a realidade. Não somos separados do mundo, mas sim, somos o mundo. A verdadeira natureza humana é a das interpelações do homem-universo. A natureza do espírito pessoal e do universo é indivisível, inexistindo separação. A consciência está intimamente ligada com a serenidade, harmonia e a paz interior e exterior do ser humano. O recolhimento no silêncio leva mais rápido, ao silêncio ou paz interior, pela oração e meditação.

De acordo com Pierre Weil, três são as consciências e três são as ecologias. Nestes três caminhos podemos enxergar a paz, necessitando cada uma delas, uma forma de consciência e de um tipo de ecologia. Paz interior exige uma tomada de consciência – a ecologia interior. O viver em paz com os outros, entende por ecologia social, ou seja, a nossa harmonia com a sociedade e dentro dela. A consciência de viver em paz com a natureza (Gaia, a mãe Terra), abrange a ecologia ambiental.

Para Leonardo Boff, a paz consigo mesmo se apoia na consciência individual; a ecologia do ser. A maior parte do ser humano procura vivê-la fora de si; deixando de enxerga-la, pois a ninguém é mostrado onde ela está.

O estado de harmonia, a paz interior, do ser pessoal em consonância com a Terra, o sol, a lua, as árvores, as montanhas e os animais não estão apenas aí fora, mas vivem em nós como figuras e símbolos carregados de emoção. Indispensável para o despertar desta consciência ecológica individual em cada cidadão do planeta é, o dialogar, identificar e sintonizar-se com o meio que o acolheu, com as energias que trabalham nesta construção do universo há 13,7 bilhões de anos. Consiste em mesclar atividades de psicologia transpessoal, antropologia, ioga, educação física e ciências naturais, oportunizando assim, atividades lúdicas no trato com o meio ambiente.

A Terra nos dá tudo o que precisamos. Para vivermos com qualidade, em harmonia com a natureza requer um estado de equilíbrio dos ecossistemas em torno de nós. E dessa forma buscar, a renovação do pacto natural, entre Terra e Humanidade. A nossa retribuição deve ser o cuidado e o respeito pelos limites da Terra.

A educação ambiental propõe mudanças profundas no relacionamento do ser humano com o meio ambiente. Como um processo integrador do viver e conviver tem como meta primeira, preparar para a convivência do ser humano consigo mesmo, com os outros de sua própria espécie, e com os outros seres do planeta.

É importante não confundir Ecologia com Educação Ambiental. Ecologia é uma Ciência; estuda as relações entre os seres e entre estes e o ambiente. Educação Ambiental é um processo que vai além da flora e da fauna, das plantas e dos bichinhos, propõe mudanças profundas no relacionamento do ser humano com o meio ambiente. O processo da Educação Ambiental utiliza os conhecimentos da Ecologia para interpretar as consequências das ações impostas pelo ser humano ao ambiente, forjadas em suas dimensões sociais, econômicas, políticas, culturais, éticas, científicas e tecnológicas.

As ecologias exteriores (social e da natureza) advêm da ecologia interior feita de: solidariedade, sentimento de religação com o todo, cuidado e amor. Ambas as ecologias estão ligadas umbilicalmente.

O projeto amor em ação da Sociedade Espírita Nova Era tem como proposta ampliar a percepção das pessoas de modo que lhes permitam compreender como interagem com o meio ambiente, como o afetam e são afetados, como podem contribuir para a sua sustentabilidade.

De acordo com o Marcos Rachwal, Professor do Programa de Educação Ambiental da Embrapa Florestas, “O conhecimento tem sido repassado sem considerar a essência humana. Encarar o ser humano, unicamente, como predador, culpando-o pela degradação ambiental, não abre portas para uma mudança de comportamento. É preciso alcançá-lo em sua plenitude, transformando-o em um reconstrutor da natureza, transmitindo e relacionando os conteúdos ambientais às necessidades e aspirações dos seres humanos”.

REFERÊNCIAS

AMIT GOSWAMI
http://pt.scribd.com/doc/3079992/Amit-Goswami-O-UNIVERSO-AUTOCONSCIENTE-Como-a-Consciencia-Cria-o-Mundo-Material

PIERRE WEIL – UNIPAZ – Universidade Holística Internacional de Brasília e da Fundação Cidade da Paz
http://www.pierreweil.pro.br/Novas/Novas-61a.htm

Leonardo Boff
Revista Cidadania & Meio Ambiente n° 36

 


Continue no Canal
+ Ser Sustentável